Arquivo da categoria ‘Pa-Pum’

Entrevista com humor

Publicado: 15 , setembro , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum


No mês que batizamos como o do humor, entrevistamos um jornalista, ator e dançarino que vive de bom humor! É o Márcio Moreira, 23 anos, que há três vive uma fase nova em sua vida: Cristo é o centro de suas ações, e também direciona suas gracinhas… e é sobre isso que conversamos com ele nessa entrevista.

Você é cristão há três anos, e desde antes de ter colocado Cristo em sua vida, você já tinha veia humorística…  o que mudou no seu humor?

rs bom, sempre fui meio piadista. Digamos que depois de minha conversão, meu humor foi limpo assim como o resto da minha vida.
O que é humor limpo exatamente?

Aquele que faz todo mundo rir, diferente de um humor sujo, em que tem alguem que é alvo e não dá risada disso.

Isso inclui piadas de conotação sexual?imoral?

Acho que nesse tipo de piada, Jesus não ri. Então, também conta no crivo da limpeza. rsr

E me diga uma coisa… você, além de jornalista, é ator…
…e bailarino, e poeta. rsrsrs

Rsrsrs.. E ainda no tema piada, você gosta de levar o humor para as peças… inclusive, em O Evento, que aconteceu em Belém no final de 2010… Isso é natural?as pessoas pedem? Quando você faz um roteiro, a piada já flui meio que sem querer ou é opcional?

Na verdade, não sou bom de piadas marcadas. Em O Evento, por exemplo, as piadas surgiram na hora. Abro, sempre, espaço para o improviso e gosto do olho no olho com quem está em cena. Gosto de sentir o time da pessoa pra daí me sentir seguro no jogo.

Hmmmmmm…. e é difícil fazer humor cristão?

Nunca fiz humor cristão. rsrs. Acho que nem seria adequado esse termo. É humor limpo. Eu sou cristão e meu humor reflete essa santidade, mas é humor. Só humor. rsrs. Não que seja humorista, sou ator, o que é bem diferente.

E um cara engraçado por natureza….

Rsrs. Não sei.

Quem fica do seu lado, não consegue não pensar no seu humor rs né?

Gosto mais de rir do que de fazer rir. Então, se as pessoas riem comigo, eu acho ainda melhor.

O cristão não pode contar piadas sujas, mas e quanto a ouvir, o que fazer?ainda mais se tiver numa roda de amigos… como se comportar sem ser agressivo?

Audição é um sentido passivo igual o olfato, se soltam um pum sem avisar, eu cheiro e reajo sem pensar. Acho que com a piada é igual. Você está desarmado e surge alguma coisa que não te edifica. Você pode até rir, por não refletir de cara no que aquilo representa e no quanto pode desagradar a Deus. O ideal é, nesses casos, mostrar seu ponto de vista sobre o assunto e pedir perdão a Deus depois.

E quando sentir que vão começar a sessão de sujeiras? dar um até logo pessoal…

Não. Incluir piadas limpas e tentar fazer a diferença. Mostrar que piadas que não ofendem ninguém também são engraçadas e fazer o possível pra fazer a diferença naquele espaço.    A melhor piada é aquela que não faz ninguem chorar.

Meu amigo, muito obrigada!

Editado por Luciana Almeida

Anúncios

Arquitetura pra Deus com Carolina Amaral

Publicado: 8 , setembro , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum

No Pa-Pum desta semana, vamos conversar com  a estudante Carolina Amaral de 18 anos, que cursa o 2ºano de Arquitetura e Urbanismo na Unama. Com muita animação, atenção e espontaneidade,ela respondeu todas as nossas perguntas. Confira a entrevista.

Como foi o ano do Vestibular? Tenso ou tranqüilo?

Médio, porque eu eu só estudava o que eu gostava.

Uahsuhausas, tudo..menos física e matemática, por isso não passei na UFPA hahhaha

Rsrsrs O que te levou a fazer Arquitetura e Urbanismo?

Eitaa =// Eu não fazia idéia do que fazer…todos os meus testes davam artes cênicas e musicoterapia ¬¬Daí, algumas pessoas falavam pra mim que arquitetura era bacana e tals,e tava em alta. Eu fui pesquisar e vi que tinha história,e eu gosto muito..aí resolvi tentar e hoje eu amo arquitetura.

Pensaste alguma vez em fazer design?

Eu tentei design na uepa..mas eu ia fazer arquitetura com design, mas não passei uahsuahusas

Rsrs e o que mais te fascina no curso de arquitetura?

A parte de projetar. Eu acho muito firme encontrar soluções pra algumas coisas difíceis e tals. Acho muito legal algumas sacadas de uns profissionais.

Você ama desenhar ou fazer a elaboração das idéias das plantas?

Elaborar. Não sou muito fã de desenhar..porque não sou perfeccionista,então, tem alguns desenhos que ficam meio desleixados :X

De alguma forma, você tem aplicado alguma habilidade do seu curso em alguma obra da igreja?

Tenho participado do cenário de peças e musicais da Primeira Igreja Batista.

E na igreja você está envolvida em algum departamento ou ministério?

Deus usa nossas habilidades pra obra dele. Faço parte da liderança da JCA(jovens cristãs em ação),culto infantil e ajudo na cenografia.

Gostaria de compartilhar um hobby?

Tanta coisa….uahushuas …sair com os amigos, quando nós (eu e minhas irmãs) vamos pra Imperatriz e ficamos com nossos pais;  ver meus amigos de lá; assistir filme e comer muitoo ahsuhaus!

Editado por Luís Fernando Almeida

Microfones e panelas com Gabriel Silva

Publicado: 1 , setembro , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum

No Pa-Pum desta semana, vamos conversar com o cooker Gabriel Silva, que nas horas vagas é estudante de Direito, e auxiliar de som na Igreja Batista Sião. O cara é talentoso, bem-humorado e muito disposto a servir a Deus, seja com os lanchinhos que faz para levar para os Zions, seja no apoio dos áudios… Conversamos com ele para saber como ele faz para conciliar tantos dons.

 

Gabriel, me diga… Apesar de sua recente entrada na área jurídica, você tem um dom que muitos de sua igreja já conhecem, certo? Quer compartilhar?

Acredito que é como operador de som. Vejo como um dom que Deus me deu pra exercitar muitas outras coisas da minha vida.

Égua… E olha que eu estava pensando no seu dom cooker!

Hahaha, esse não é bem um dom, eu aprendi por osmose em casa. Minha mãe realmente tem esse dom e eu apenas observei e consegui “imitar” pela repetição e pelas tentativas.

Rs, quais seus pratos favoritos?

Lasanha, charque frito com açaí (como todo paraense, hehe), aliás, qualquer coisa que possa ser acompanhada com açaí e todas as comidas regionais…

Mas, dessas ai, quais você faz? Que pratos são suas especialidades?

Sei fazer lasanha (acho que esse é o meu forte) e sei fazer salgadinhos tipo: coxinha, pastel de forno… e doces como brigadeiro, casadinho e bombons regionais…

Opa!!  Eu já provei, e de verdade, é bom!

Que bom que gostas =)

Eu e a galera do Zion! Bom, e na casa de Deus, dá apoio no som…

Verdade…

Como você descobriu esse dom para o som?

Na verdade, há uns anos, quando eu estava em outra igreja, meu pai era amigo da operadora de som de lá e falou que era pra eu ajudá-la e aprender alguma coisa lá. Na época eu nem sabia o que eram watts, volts ou decibel, mas fui aprendendo justamente por estar ao lado da Dorinha. Comecei aprendendo a enrolar cabo e ligar microfone, quando eu me dei conta, estava cuidando do som da igreja quando ela precisava faltar. E tudo começou com um “você precisa de ajuda?” Depoia disso passei a gostar por conviver nesse meio

Ou seja… Para cozinhar ou cuidar do som basta observar e ajudar.

Basta primeiramente se dispor a ser útil (como em tudo na vida), e observar para poder aprender o básico, depois vem o estudar por fora. Fazer experiências quando dá e sempre procurar aprender mais.

 

Editado pro Luciana Almeida

Aconselhar os teens

Publicado: 25 , agosto , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum

No Pa-Pum de hoje, vamos falar com a estudante de enfermagem, Lanna Xantipa, que também é conselheira de adolescentes cristãos. O Ministério Teen da Igreja Batista Sião mostrou para nossa amiga de apenas 20 anos, que é possível vencer a timidez e ajudar adolescentes nessa difícil fase da vida.

Xantipa, com que idade você começou a trabalhar com os adolescentes da igreja? E como foi?

Não tenho certeza, mas acho q com 18 anos… A Mylene (vice-líder dos Adolescentes da Igreja Batista Sião) me fez o convite, porque fui começando a ser a mais velha da classe dos adolescentes, mas não queria sair porque me identificava ali. Foi o ano também que eu e a My nos aproximamos, e aí ela me chamou pra participar deste ministério…

Hmmm….como tem sido desde então? que dificuldades você enfrenta e quais as partes mais interessantes?

Olha, desde que entrei neste ministério, tenho passado por experiências únicas na minha vida, a maior e melhor delas foi a possibilidade de aconselhar, acompanhar as adolescentes seja em acampamentos, acampadentros ou no dia a dia mesmo. Vi a mão de Deus trabalhando no meu jeito, na minha personalidade, porque sou muito fechada.

E qual é a parte difícil?

Atualmente, minha maior dificuldade é o tempo, o que tem dificultado minha participação nas reuniões.

Recentemente, vocês tiveram um treinamento diferente para lidar com crianças e adolescentes…

Sim, mas para lidar com crianças e juniores, na verdade!

Juniores vai até que idade?

De 9 a 12

O que esse treinamento acrescentou no seu trabalho com os teens?

Que é preciso investir na vida deles, do jeito deles, de forma que os atraiam, que os envolvam assim como para as crianças que há toda uma estrutura.  Assim também deve ser com os teens. Não pode ser de qualquer maneira ou da maneira tradicional, até porque o mundo está aí cheio de atrativos… Só que tudo isso também à luz da Palavra de Deus!

E é uma fase difícil essa idade… como faz pra segurar as meninas de namorarem muito cedo, ou obedecer aos pais?

Tudo na verdade é uma questão de discernimento, de sabedoria, que essa fase é muito difícil de se ter, então é preciso aconselhar, mas a escolha é deles.

E a última pergunta… se alguma teen quiser conversar com você, se aconselhar, como é que faz?

Pode me procurar, estou sempre a disposição, via celular, email, face, orkut e lá pela igreja tambmé. É só me parar pelos corredores!!!

Serviço

O Zion Teen agora está acontecendo às segundas, na casa da Irmã Bena e tem também o Culto da Unijovem aos sábados as 18hs. Aos domingos, 8h30 da manhã, tem Escola Bíblica Dominical, com sala específica para todas as idades.

Priscilla Ebersole

Publicado: 18 , agosto , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum

O Pa-pum de hoje é internacional… conversamos com a missionária americana-brasileira Priscilla Ebersole, de 23 anos, que sendo filha de missionários americanos, nasceu em Goiás, durante o tempo em que seus pais estavam fazendo trabalhos no Brasil. Aos seis anos de idade, voltou para Boston, Massachusetts, nos Estados Unidos, onde viveu até o começo deste ano, quando regressou ao Brasil. Ufa! Durante esse tempo, visitou o país diversas vezes, inclusive para visitar o irmão, que também já mora aqui.

Priscilla, como surgiu seu chamado missionário?

Os meus pais eram missionários, e eu sempre gostei de viajar. Além disso, eu não queria uma vida normal.

Como foi sua infância e adolescência nessas idas e vindas ao Brasil?

Eu nasci aqui e fui para os EUA com 6 anos. Não lembro muito da minha infância, além da minha casa e quintal, com muitos animais, e eu lembro que amava tudo o que os meus pais faziam.

Hmmm.  Entendi. E por que você escolheu a Jocum para aprender sobre missões?

Porque ouvia muitas coisas boas sobre essa missão.

E desde que você começou seus estudos lá, que experiências você tem tido?

Nossa! Tem muitas! Trabalhei com ribeirinhos, igrejas, adolescentes, dance, teatro, crianças.

E qual dessas experiências mais tocou seu coração?

Nossa! Cada experiência me tocou muito. Amei cada lugar, mas se precisasse escolher um lugar, eu diria Belém, o trabalho que fiz com os ribeirinhos.

O que mais te atrai aqui?Você vai ficar pra sempre no Brasil?

Tudo do Brasil me atrai. Quero ficar, mas não sei os planos de Deus. Estou vivendo um passo a passo.

Ahh que bom!  Obrigada pela entrevista!

Editado por Luciana Almeida

Pa-pUm ano!

Publicado: 30 , junho , 2011 , quinta-feira em Pa-Pum

Fazer um Pa-pum de aniversário chega a ser um contra-senso. Como falar pouquinho de algo que é tão grande? Toda vez que se comemora um ano, tem-se muito a dizer, concordam?! Mas tentarei, com a certeza latente que falar pouco deixará muita história para depois. A Revista Zion nasceu com as duas moças que vou lhes apresentar. Com vocês, Kayra Matos e Luciana Almeida. Essas lindas aí da foto! Pois é, elas tiveram a frutífera ideia de usar a comunicação para servir a Deus! Que honra usar o dom que Deus as deu (porque, acreditem, comunicar-se é um dom) para contribuir com a obra dEle. Eu, Gabriela Azevedo, sou suspeita para falar, afinal, elas também são minhas grandes amigas, mas garanto que sob a vontade de Deus , são as cabeças que guiam e mantêm esse belo projeto chamado Revista Zion. Para saber um pouquinho mais do que a RZion representa, fiz umas perguntinhas que a Luciana responde nas linhas abaixo!

Como surgiu a ideia de fazer a RZion?

Surgiu em 2009, quando eu e a Káyra nos conhecemos oficialmente. Já nos víamos antes, e trocamos talvez algumas palavras. Em dezembro, falamos mais sobre o assunto, amadurecemos um pouco mais a ideia e, depois de muitas conversas, rascunhei o que deveria ser a RevistaZion. Indiquei as colunas, as editorias… passei pra Káyra, que tornou realidade aqueles riscos… Ficou lindo. Convidamos as estudantes de jornalismo, Paula Catarina (hoje, formada) e Gabriela Azevedo [esta moça que nos entrevista agora] para escreverem as reportagens junto comigo. O Luís Fernando, que é meu irmão, sempre gostou de músicas e filmes, então ficou responsável pela Cultura Gospel. O nosso amigo Fernando Cavalheiro, que é ótimo em língua portuguesa, se colocou à disposição para as revisões dos textos. Ainda tínhamos a pessoas a quem pediríamos as ofertas ou o patrocínio para a impressão das revistas. A Káyra [que é publicitária], nem se fala! É a pessoa que cria todas as artes da revista, e ela tem muitaa criatividade e bom gosto. Ela escolhe a maioria das fotos, recorta, pinta, borda, diagrama com excelência e cobra de todo mundo os materiais… não é líder da comunicação só porque é linda, mas é porque sua muito. É competente e responsável.

Em abril, durante um acampamento de jovens da Sião, lançamos a edição zero da Revista, falando do ZionCamp e do preletor. No dia 19 de junho, lançamos a edição nº 01, com direito a noite especial, com fotos e distribuição dos exemplares na Unijovem. Um dia memorável.

Quais as alegrias que a RZion já deu a vocês?

Muitas. A principal delas foi a mudança de vida de Thânia Silva, uma jovem considerada a ovelha negra da família até o ano passado. Ela leu na revista zion um testemunho de um rapaz que viveu nas ruas, foi abandonado pela mãe quando tinha 5 anos de idade e estava doente num hospital. Cristo mudou a vida dele na vida adulta, e a história dele fez a Thânia querer a este Deus. Ela está totalmente mudada, e hoje continua sendo uma de nossas leitoras mais fiéis.

Quais foram as maiores dificuldades?

Financeiras. Sempre foi muito difícil conseguir dinheiro para as impressões, mas este quesito está resolvido! Agora, somos totalmente online. Nós nem gastamos mais papel. Somos ambientalmente corretos! RS

O que Deus ensinou a vocês através da Revista?

Ele nos ensinou que o respeito e o amor fazem uma equipe trabalhar melhor. A nossa equipe é de amigos. Nos amamos muito e gostamos muito das nossas reuniões, que na maioria das vezes é super engraçada… Rimos muito, fazemos muitas piadas, brincadeiras. As pessoas são inteligentes, animadas e esforçadas. Claro que sempre precisamos melhorar, e estamos sempre caminhando nesta direção. Uma hora, chegaremos a excelência geral!

E por que batalhar por este trabalho?

Trabalhar com a RevistaZion vale a pena, porque escrevemos e fazemos vídeos para jovens, que, como nós, amam a Deus e querem aprender mais dele. Muitos jovens passam horas na internet, fazendo muita coisa, seja por trabalho ou diversão, e nós estamos sempre de olho pra oferecer-lhes um conteúdo atrativo, que fala somente a Verdade de Deus. Trabalhar pra Ele em nossa área de formação é extremamente recompensador!

Editado por Gabriela Azevedo

Tem DIP!!

Publicado: 18 , junho , 2011 , sábado em Pa-Pum

Sabe o que vai rolar nesse final de semana lá na IBS (Igreja Batista Sião) ? Não tá sabendo? É o DIP! Não sabe o que é? Não tem problema, a Revista Zion pensou em você e foi conversar com o Gerson Reis que organiza o DIP lá na Sião. Ele vai te explicar tudinho!

O que é o DIP?

É um dia em que as igrejas realizam várias atividades com intuito de conscientizar a igreja, no Brasil e em vários outros países, sobre a causa dos cristãos perseguidos. Chamamos de Dia da Igreja Perseguida, DIP. Os irmãos se organizam, oram, divulgam, conscientizam-se, mobilizam-se para que muitos venham, não apenas a conhecer, mas também se engajar nesta causa.
Como surgiu? E como chegou a Sião?

Surgiu a 21 anos atrás, criado pelo Ir. André, idealizador do ministério Portas Abertas, para que o Corpo de Cristo (nós) lembrem-se destes cristãos que pagam um alto preço por sua fé. Conheci o Ministério Portas Abertas através de uma dica da irmã Erika Brito que me falou muito superficialmente sobre ele e me indicou o site. Visitei o site, conheci o ministério e me senti desfiado a orar por aqueles irmãos que sofrem pelo nome de Jesus.

Qual a importância dele na vida do cristão?

Através dos testemunhos desses cristãos perseguidos somos confrontados a olhar pra nós mesmos e nos questionarmos sobre a nossa fé. Sempre que ouço ou leio estes testemunhos me pergunto: “Seria eu capaz de suportar tão grande sofrimento por Cristo?” Isso tem me motivado, não só a orar pelo sofrimento deles, mas tem me motivado a pedir a Deus que faça a minha fé como a deles: inabalável.

Quando vai ser? Onde? Quem participa? E o que vai rolar lá?

Será realizado nos dias 18 e 19 de junho, na Igreja Batista Sião. A realização do DIP conta com uma força tarefa de jovens de vários ministérios da IBS como o Palavra Encenada (Teatro), Zion Teen, Min. de Comunicação dos Jovens, Min. de Louvor da IBS com o apoio da nossa liderança da igreja na pessoa do Pr. Jonatas e da liderança da UNIJOVEM com o Tonny Rapahael e Ygor Pinheiro. Vai rolar muito teatro, simulação de uma igreja subterrânea, louvor e clamor pelos cristãos perseguidos e principalmente muita oração em favor dos nossos irmãos dos países que oprimem a pregação livre da palavra de Deus.

Confira os 10 países que mais perseguem os cristãos no mundo, nesse vídeo produzido em 2010 pelo Ministério Portas Abertas.

Editado por Gabriela Azevedo