Alynne Sipaúba

Publicado: 13 , fevereiro , 2011 , domingo em Seja bem-vindo!

Alynne Sipaúba, 22 anos, estudante de jornalismo, membro da Igreja Batista Missionária da Amazônia (IBMA) em Belém é a nossa entrevistada desta semana no Seja Bem-Vindo. Ela nos conta que era modelo quando criança e adolescente, e por gostar muito de televisão, se tornou repórter de um programa de TV, no Maranhão, que cobria festas… Ela foi, então, descobrindo um mundo bem diferente… mergulhou fundo nele… e por fim, percebeu que não era essa a vida que realmente queria ter. Atualmente, trabalhando na Rede Boas Novas Brasil, Alynne conta que realizou um sonho, além de estar à frente de um projeto de comunicação que ajuda cristãos da área a se firmarem em Cristo.

Alynne, em seu blog (capturadapelacruz.blogspot.com), você conta que conheceu a Jesus aos 11 anos de idade, mas várias coisas te levaram a não se firmar… o que foram essas coisas? de que forma elas te impediam de ficar firme na rocha?

Bom, eu era modelo. Era encantada pelas passarelas, e também comecei a trabalhar em programas de TV seculares. Tínhamos que ir pra festas. Como amava TV, fazia esse tipo de trabalho, mas no fundo, sabia que ali não era meu lugar. É por isso que o discipulado é importante. Só fui discipulada quando cheguei em Belém. Era muito solta [antes]. Se saísse da igreja, as pessoas não se importavam tanto [isso no Maranhão].

Como você se sentia quando estava nesses lugares?

No momento que estava lá, até ficava alegre, mas é a famosa alegria passageira que o mundo nos proporciona. Quando chegava em casa, dizia pra mim mesma: Deus não se agrada daquele lugar que fui, mas no outro dia ia de novo. Não tinha força: ia de novo, e assim dia após dia, até que cansei e decidi recomeçar e renunciar tudo que tinha.

Então, vamos pra origem dessa história… aos 11 anos, como você teve contato com Cristo? Como você soube de Jesus?

Minha tia era evangélica e nos levou para igreja. Na verdade, Luciana, ouvi falar de Jesus bem antes. Acho que tinha 9 anos, quando o aceitei. Até tirei os brincos na hora, porque era Assembleia do interior, hehe. Nem sabia de verdade o que estava fazendo, então, não conto com essa vez. Aos 11 anos, comecei a frequentar a igreja da minha tia, com minha família: mãe e irmão. Minha mãe aceitou primeiro, depois eu. Fui de coração mesmo. Já entendia o que estava fazendo.

Então, depois dos 11 anos, algumas coisas do mundo te sufocaram e você foi mudando o foco…namorava muito… fazia tudo o que o mundo diz que é “normal” ou adequado para a idade, não é? li no seu blog…

Na verdade, quando aceitei já era envolvida no mundo da moda. Quando aceitei, não parei. Depois fui vendo que não era correto. Não era de ficar com vários caras, mas namorava caras do mundo. Namorei uns três, eu acho, e fiquei com outros. Hehehe.

Rsrrsrsrsr

Aos 17 anos, depois de algumas dessas experiências de felicidade passageira, como foi sua mudança? Que desafios você teve que enfrentar para ter uma vida nova?

Eu estava cansada de não ter essa felicidade verdadeira. Tinha momentos de alta com Deus, em que eu O sentia e O buscava, dizendo que queria fazer sua vontade. Acho que por isso, o Espírito Santo me incomodava tanto. Estava com vontade de viver algo novo. Dedicar-me aos planos de Deus. Estava orando pra Deus me tirar daquele mundo.

Então, um dia meu irmão me ligou aqui de Belém, dizendo pra eu vir passar uns dias com ele e conhecer a cidade. Eu estava morando com meu pai [no Maranhão], e minha mãe estava vindo morar com ele[irmão, em Belém]. Então, eu disse que viria, mas nunca pra morar, porque detestava Belém. Só que aqui tinha a Boas Novas. Sempre tive o sonho de trabalhar nessa TV. Quando eu vim, coloquei meu currículo lá. Na verdade, independente do emprego, queria algo novo….então, decidi vir para Belém ficar com meu irmão e mãe, que também são crentes.

Te chamaram depois de quatro meses para trabalhar na Rede Boas Novas. Você veio e já sem ódio de Belém… foi isso? Rsrs

Hehe

Rsrsr

Eu vim morar mesmo sem saber se iam me chamar ou não, mas acreditava muito que ia ser chamada. Na verdade, sempre senti falta de São Luís, mas Deus me fez amar esse lugar. Fui chamada depois de 4 meses, porque a diretora de jornalismo estava para Moçambique. e só ela podia decidir. Eu ligava pra lá e sempre diziam: ela ainda está viajando. Aí, eu pensava: é….acho que  vou trabalhar lá, mas tenho certeza que Deus estava me tratando. Tinha muita fé que ia ser chamada. Quando ela chegou, me ligou.

Quando fui lá, ela já foi me mostrando os locais e como funcionava. Fiquei pasma. Comecei a trabalhar dias depois e até minha mãe trabalha lá como intercessora. Ela foi chamada também. hehehhe

Olha que coisa boa e interessante! E… você lidera um núcleo bem diferente na Rede Boa Novas…como funciona?

Isso. O núcleo é destinado a todos que trabalham na área da comunicação, seja jornalismo, publicidade, fotografia, relações públicas e até mesmo aqueles que só estudam, mas que desejam cursar comunicação. Pessoas cristãs ou não. É um ponto de evangelismo.

É de que horas a que horas? Onde exatamente acontece? E como acontece essa reunião?

Das 19h às 20h30, todas quarta-feira na TV Boas Novas, no estúdio da TV. As pessoas chegam lá. Primeiro, a gente tira um tempo de oração, depois a Palavra.

Agora, a última pergunta…

Aleluia. hehehhe

kkkkkkkkkkk

Como tem sido sua vida agora? quais seus planos para o futuro? vai casar né? deixar Belém? Voltar para o Maranhão?

Vou ficar na TV até o centenário da Assembleia de Deus, que acontece em junho. Sou responsável pelas notícias do centenário. Lá no meu blog tem esse quadro. Até agora, meus planos são retornar para São Luís em julho, casar em outubro e no próximo ano, montar meu próprio programa. É uma promessa de Deus na minha vida. Creio muito que vou ter. Sei que é preciso de dinheiro e uma boa equipe, mas é com fé que agradamos a Deus, então tenho fé! As coisas podem mudar…mas meus planos são esses. Deus tem aberto outras portas pra eu ganhar dinheiro hehehe

Obrigada pela entrevista!

Fale com Alynne pelo twitter! @glauco_alynne

Editado por Luciana Almeida

Anúncios
comentários
  1. iago sousa disse:

    ei…gostei bastante dessa entrevista com a alyne que inclussive trabalhou no fime ”ai que vida”eu acho ela muito linda…

  2. Adriano disse:

    Alynne é minha irmã… E essa entrevista me fez relembrar o quanto mts coisas mudaram na vida dela e o quanto está mudando (Belém não te soltará gatinha..rsrsrs). Sou mt grato a Deus pela sua vida Alynne! Valeu pela entrevista!

    Bjs!

  3. Luciana, obrigada por esse espaço!
    É uma grande satisfação pra mim participar dessa revista e compartilhar um pouco do que Deus tem feito na minha vida!
    bjão!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s